segunda-feira, 4 de junho de 2012

CÂNCER DE TIREÓIDE – ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA –

UM MAIOR RISCO PARA CÂNCER DE TIREÓIDE AGRESSIVO ESTÁ ASSOCIADO À OBESIDADE POR SEREM DE MAIS DIFÍCIL DIAGNÓSTICO E UM FATOR QUE INTERFERE BASTANTE É O PESCOÇO MAIOR.

Os pacientes que são obesos tendem a apresentar formas mais agressivas de câncer papilar de tireóide. Além disso, o câncer é frequentemente diagnosticado em um estágio mais avançado nesta população, de acordo com um estudo retrospectivo. O estudo, publicado no Archives of Surgery, descobriu que pacientes obesos e obesos mórbidos se apresentaram mais frequentemente com o estágio III ou IV da doença. Uma análise de subgrupo mostrou que a porcentagem da variante mais agressiva de câncer papilar de tireóide foi significativamente maior em pacientes obesos e obesos mórbidos do que naqueles que tinham peso normal ou apenas excesso de peso. Um índice de massa corporal (IMC) foi associado com um maior tempo da indução da anestesia e uma longa estadia no hospital. Os resultados deste estudo são muito interessantes, disse Avital Harari, MD, professor assistente de cirurgia da Universidade da Califórnia, Los Angeles, David Geffen School of Medicine. “Acredito que a razão para o aumento do câncer de tireóide em estágio avançado e mais agressivo em indivíduos obesos é de duas vezes mais", disse a Medscape Medical News.
 "Uma razão é que os pacientes obesos geralmente têm um atraso no diagnóstico em relação à maioria das doenças. No caso de câncer de tireóide, é provável que o câncer e nódulos não são sentidos no exame físico por causa do tamanho maior do pescoço. "É também provável que o estado de obesidade em si, fisiologicamente, contribui para um aumento de cânceres agressivos, Dr. Harari adicionou. Médicos de cuidados primários, endocrinologistas e cirurgiões da tireóide "devem ser vigilantes sobre a avaliação de seus pacientes obesos para câncer de tireóide. É importante estar ciente do risco aumentado para essas pessoas, não só para os cânceres da tireóide, mas para todos os outros tipos de câncer também", Dr. Harari observou. Para o câncer de tireóide, não há atualmente nenhuma recomendação para a seleção, ressaltou. "Nossos dados sugerem que deve haver rastreio do câncer da tireóide para aqueles com maior risco, como pacientes obesos. Nossa recomendação é reflexo de uma proposta semelhante para o rastreio do câncer da mama, onde os estudos têm sugerido que um regime de triagem mais vigilante de mamografia deve ser instituído para pacientes obesos . "Com base em seus dados, Dr. Harari e seus colegas sugerem que em pacientes obesos com mais de 45 anos deve-se rastrear por  ultrassonografia o câncer de tireóide. O motivo para isso é que, embora a maioria dos cânceres da tireóide são tratáveis, as pessoas que se apresentam nos estágios finais têm um aumento real na mortalidade."Se o câncer pode ser detectado precocemente, o pressuposto é que a mortalidade pode ser diminuída".

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologista – Neuroendocrinologista
CRM: 20611

Dra Henriqueta V. Caio
Endocrinologia - Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. Os pacientes que são obesos tendem a apresentar formas mais agressivas de câncer papilar de tireóide... 
http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com/

2. Além disso, o câncer é frequentemente diagnosticado em um estágio mais avançado nesta população...  
http://hipertireoidismo.blogspot.com/

3. A razão para o aumento do câncer de tireóide em estágio avançado e mais agressivo em indivíduos obesos é de duas vezes mais...  
http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO 
DOS AUTORES PROSPECTIVOS E REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. 

Referências Bibliográficas:
Prof. Dr. João Santos Caio Jr. Diretor Científico, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Diretora Clínica – Van Der Häägen Brazil, São Paulo – Brasil
; Avital Harari, MD, professor assistente de cirurgia da Universidade da Califórnia, Los Angeles, David Geffen School of Medicine. Quan-Yang MD, Duh Arch Surg , Professor de cirurgia da Universidade da Califórnia, em San Francisco. Publicado em 21 de maio, 2012.


Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12º andar – Conj. 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br
WWW.crescimentoinfoco.com.br
WWW.obesidadeinfoco.com.br
WWW.tireoidismo.com.br


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17 

HIPOTIREOIDISMO DE HASHIMOTO - ENDOCRINOLOGIA - NEUROENDOCRINOLOGIA: HIPOTIREOIDISMO SUBCLINICO, TIREOIDITE, TIREOIDITE DE HASHIMOTO, OBESIDADE, EMAGRECER; DISTRIBUIÇÃO IRREGULAR DE HORMÔNIO DEVIDO A TIREÓIDE.

No hipotireoidismo ocorre a deficiência dos hormônios da tireóide, que pode potencialmente afetar o funcionamento de todo o corpo. A taxa de funcionamento normal do corpo diminui causando lentidão mental e física. Os principais fatores de risco são idade superior a 50 anos, sexo feminino, obesidade, cirurgia de retirada da tireóide e exposição prolongada a radiação. O grau de severidade pode variar de leve, apresentando um quadro de depressão em que o diagnóstico de hipotireoidismo pode passar desapercebido, até a forma mais grave, denominada mixedema, caracterizada pelo inchaço de todo o corpo e que constitui uma emergência médica. As causas mais comuns de hipotireoidismo são: doença de Hashimoto (uma doença auto-imune); tratamento do hipertireoidismo com iodo radiativo; retirada cirúrgica da tireóide para tratar hipertireoidismo ou tumor; uso prévio de medicamentos antitireóideos; pós-parto (transitório em 60-70% dos casos); uso de certos medicamentos como lítio, amiodarona, iodeto e interferon alfa; deficiência na regulação da glândula; inflamação da tireóide; deficiência de iodo (substância importante para a produção dos hormônios tireoidianos) e resistência generalizada ao hormônio tireóideo.
Os principais sintomas do hipotireoidismo são:
• fraqueza e cansaço,
• intolerância ao frio,
• intestino preso,
• ganho de peso,
• depressão,
• dor muscular e nas articulações,
• unhas finas e quebradiças,
• enfraquecimento do cabelo,
• palidez. 
Outros sintomas que podem aparecer mais tardiamente são: fala lenta, pele ressecada e espessada, inchaço de mãos, pés e face, diminuição do paladar e olfato, rouquidão, menstruação irregular, dentre outros. O diagnóstico do hipotireoidismo será feito pelo médico com o auxílio de exames laboratoriais que avaliam a função da tireóide. Normalmente, encontramos as seguintes características:
• TSH: todos apresentam concentrações circulantes elevadas de hormônio estimulador da tireóide.
• T3 e T4 livres: os níveis dos hormônios tireoidianos podem estar normais, em casos assintomáticos ou brandos, ou diminuídos.
O objetivo do tratamento é repor a deficiência de hormônio da tireóide. 
O medicamento mais frequentemente utilizado é a levotiroxina, mas há outros disponíveis. E o tratamento deverá ser seguido por toda a vida, mesmo se os sintomas desaparecerem, pois são frequentes as recaídas com a interrupção do medicamento. A complicação mais grave do hipotireoidismo é o mixedema que pode levar ao coma, mas que felizmente é a rara. Ele pode ser causado por infecções, exposição ao frio, certos tipos de medicamento e outras doenças. No coma pelo mixedema ocorre alteração do comportamento, diminuição da respiração, queda da pressão sanguínea, do açúcar no sangue e da temperatura. Doenças cardíacas, infecções, infertilidade e abortamento, também podem ocorrer como complicações do hipotireoidismo. Como o desenvolvimento dos sintomas e sinais de hipotireoidismo é tipicamente insidioso e a prevalência da forma subclínica é estimada em 40%, é recomendada a avaliação laboratorial de rotina na população em geral, mesmo na ausência dos sintomas.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra.Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Qual a diferença entre o hipertireoidismo e o hipotireoidismo...

2. No caso do hipotireoidismo podemos falar que ele é mais grave...

3. A obesidade pode ser mais complicada se tratada com diagnóstico de hipotireoidismo...

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referência Bibliográfica:
Prof. Dr.João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Endocrinologista, Medicina Interna-Van DerHäägen Brazil – São Paulo –Brasil,By Linda Wilson NEW YORK (Reuters Health) Aug 06; Report in the August Obstetrics & Gynecology Co-author Dr. Brian Casey at the University of Texas Southwestern Medical Center and colleagues American College of Obstetricians and Gynecologists.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257 
ID:111*101625
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12º andar – Conj. 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

quinta-feira, 15 de março de 2012

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: HIPOTIREOIDISMO RELEVANTE; O HIPOTIREOIDISMO RELEVANTE NA GRAVIDEZ DEVE SER MONITORADO DESDE O INÍCIO DA GRAVIDEZ,

UMA VEZ QUE PODE LEVAR AO ABORTO ESPONTÂNEO E PARTO PREMATURO E A “AMERICAN THYROID ASSOCIATION” REUNIU NOVAS DIRETRIZES QUE SERÃO RAPIDAMENTE DIVULGADAS.

Durante a gravidez o hipotireoidismo relevante é prejudicial à saúde materna e fetal e para o desenvolvimento intelectual futuro da criança, de acordo com novas diretrizes da "Americanthyroid Association” (ATA) relataram on-line 25 de julho na tireoide. As novas recomendações abordam o diagnóstico e o tratamento de doença da tireoide durante a gravidez e o período pós-parto. A gravidez tem um impacto profundo sobre a glândula tireoide e a função tireoidiana, durante a gravidez e pós-parto. Em essência, a gravidez é um teste de estresse para a tireoide, resultando em hipotireoidismo em mulheres com reserva tireoidianas limitadas ou na presença de deficiência de iodo. Durante a gravidez, a glândula tireoide pode aumentar cerca de 10% em países onde as fontes de iodo são suficientes, e podem ficar maiores ainda em países cuja fonte de iodo é insuficiente. A produção dos hormônios da tireoide e exigência de iodo durante a gravidez pode aumentar aproximadamente 50%. O resultado da análise de dados de pesquisas clínicas mostrou os efeitos nocivos da doença do hipotireoidismo relevante subclínico, bem como do hipotireoidismo relevante e do hipertireoidismo relevante, na gravidez e na saúde materna e fetal. Avaliações em andamento estão elucidando a associação entre a presença de abortos e nascimentos prematuros em mulheres com função tireoidiana normal com teste positivo para anticorpos antitireóide. Durante o primeiro trimestre de gravidez cerca de 1 em 10 mulheres grávidas desenvolve anticorpos contra a tireoide ou anticorpos da tireoide, e o hipotireoidismo relevante se desenvolve em cerca de 16% dessas mulheres. Os efeitos em longo prazo de tireoidite pós-parto, ocorre em cerca de 33% a 50% das mulheres com anticorpos da tireoide. Essas novas diretrizes importantes foram desenvolvidas por um grupo de especialistas internacionais representando as disciplinas de endocrinologia, obstetrícia e ginecologia. Estas amplas representações de especialistas que cuidam de mulheres grávidas aumentam significativamente o impacto destas orientações e a tradução dos resultados da pesquisa mais recente para a prática clínica. As novas diretrizes incluem 76 recomendações específicas destacando o papel dos testes de função tireoidiana, hipotireoidismo relevante, hipertireoidismo relevantes, iodo, os anticorpos da tireoide, abortos ou nascimentos prematuros, nódulos de tireoide, câncer, tireoidite pós-parto, e recomendações sobre a triagem de doença da tireoide durante a gravidez. Entre as recomendações específicas temos as seguintes: a reposição de hormônio tireoidiano oral é indicada para mulheres com hipotireoidismo relevante visível, que é associado com maiores riscos de perda fetal e parto prematuro, e para aquelas com hipotireoidismo relevante subclínico com teste positivo para anticorpos da tireoide; mulheres que já estão fazendo a terapia de reposição de hormônio tireoidiano deve ter a dose aumentada de 25% a 30% quando engravidar; mulheres com hipotireoidismo relevante subclínico na gravidez que não são inicialmente tratados devem ser monitorados frequentemente para se observar se não há progressão do hipotireoidismo relevante. Devem ser dosados o hormônio estimulante da tireoide (TSH), tiroxina livre (T4 livre) aproximadamente a cada 4 semanas até 16-20 semanas de gestação e pelo menos uma vez entre 26 e 32 semanas de gestação; no primeiro trimestre, a variação normal para o nível do hormônio estimulante da tireoide (TSH) é 0,1-2,5 mUI / L; este nível aumenta para 0,2-3,0 mUI / L no segundo trimestre e 0,3-3,0 mUI / L no terceiro trimestre de gravidez; os níveis séricos de tiroxina livre (T4 livre) devem ser dosados durante a gravidez; o tratamento não é necessário para as mulheres com níveis de tiroxina livre (T4 livre) isolado; durante a gravidez e a lactação, a dosagem mínima recomendada diariamente de iodo é de 250 mg. O risco de hipotireoidismo fetal pode aumentar quando a ingestão diária de iodo na dieta total e / ou suplementos é superior a 500 mg; as mulheres grávidas não devem ser submetidos a digitalização da tireoide com iodo radioativo, mas pode ser realizada punção biópsia aspirativa por agulha fina de nódulos da tireoide, se tiver indicação; se houver no histórico aborto espontâneo ou parto prematuro deve-se verificar os anticorpos antitireoidianos; drogas antitireoidianas não são indicadas para o hipertireoidismo relevante gestacional, quando podem ser monitorados com frequência e sem agravamento do mesmo. No entanto, as mulheres no primeiro trimestre de gravidez em quem o hipertireoidismo relevante de Graves se desenvolve devem ser medicadas; durante a fase tireotóxica da tireoidite pós-parto, drogas antitireoidianas não são necessárias. Para monitorar as mulheres que podem desenvolver hipotireoidismo relevante, uma vez a fase tireotóxica terminada, deve ser realizada avaliação a cada dois meses durante um ano. Em aproximadamente 6 a 12 meses após o início do tratamento da tireoidite pós-parto deve-se tentar reduzir a terapia de reposição de hormônio tireoidiano. As doenças da tireoide durante a gravidez são comuns e clinicamente importantes. As novas orientações da “American Thyroid Association” (ATA) serão divulgadas rapidamente, para melhorar o atendimento às pacientes e estabelecer o que acreditamos serem os melhores cuidados para a mulher grávida e seu feto.

AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Durante a gravidez o hipotireoidismo relevante é prejudicial à saúde materna e fetal e para o desenvolvimento intelectual futuro da criança...
http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com

2. Avaliações em andamento estão elucidando a associação entre a presença de abortos e nascimentos prematuros em mulheres com função tireoidiana normal com teste positivo para anticorpos antitiróide...
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

3. Devem ser dosados o hormônio estimulante da tireóide (TSH), tiroxina livre (T4 livre) aproximadamente a cada 4 semanas até 16-20 semanas de gestação e pelo menos uma vez entre 26 e 32 semanas de gestação...
http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Alex Stagnaro-Green, MD, MHPE, do Departamento de Medicina e Obstetrícia / Ginecologia, George Washington University School of Medicine e Ciências da Saúde, em Washington, DC, e presidente do Grupo de Trabalho sobre a Doença de Thyroid ATA; Presidente da ATA Gregory A. Brent, MD, professor de medicina e fisiologia na David Geffen School of Medicine, University of California Los Angeles; Secretário da ATA / diretor de operações Richard T. Kloos, MD, professor da Ohio State University; Tireóide - 25 DE JULHO DE 2011.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11 ) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio

http://drcaiojr.site.med.br/ 
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

quarta-feira, 14 de março de 2012

HIPOTIREOIDISMO: O HIPOTIREOIDISMO TEM SIDO OBSERVADO COMO UM FATOR DE DESENVOLVIMENTO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SECUNDÁRIA, ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA

PORTANTO, SE VOCÊ APRESENTAR VARIAÇÕES NO PESO, CANSAÇO, DESÂNIMO, QUEDA ACENTUADA DOS CABELOS, PROCURE UM ENDOCRINOLOGISTA PARA ORIENTÁ-LO O QUANTO ANTES. É IMPORTANTE.

O hipotireoidismo tem sido observado como um fator de desenvolvimento de hipertensão arterial secundária. A prevalência de hipertensão arterial em indivíduos com hipotireoidismo têm demonstrado valores elevados de pressão arterial. O aumento da resistência vascular periférica e o baixo débito cardíaco têm sido  sugerido como o elo possível entre hipotireoidismo e hipertensão arterial diastólica (é a pressão arterial mínima). A população com hipotireoidismo é caracterizada por mudanças de peso significativas, elas são variam o aumento de peso, têm baixa atividade de uma substância no plasma responsável pela elevação da pressão arterial. Aqui verificamos os efeitos do hipotireoidismo sobre a pressão arterial e o desenvolvimento de processo de aterosclerose precoce. O tipo mais comum de hipotireoidismo é causado por insuficiência primária da glândula tireóide. As causas básicas de hipotireoidismo primário são auto-imunes, têm desenvolvimento lento e insidioso, também pode ocorrer  após retirada de parte ou de toda a glândula tireóide, pode apresentar bócio, e anti-tireóide não auto-imune (por ex.,Tireoidite de Riedel), que é um processo inflamatório crônico da tireóide e tireoidite subaguda. A tireoidite crônica auto-imune com linfocitose crônica (da Doença de Hashimoto) é a causa mais comum de disfunção da glândula tireóide. Com a substituição de falta de hormônios da tireóide a pressão arterial é reduzida, assim como o risco cardiovascular total. Efeitos similares também foram descritos no hipotireoidismo  sub-clínico. A hipertensão arterial em indivíduos com hipotireoidismo têm demonstrado que a elevação da pressão arterial pode ser sistólica, diastólica  ou ambas. Sabe-se que a pressão arterial sistólica ou diastólica tem correlação significativa com a tiroxina - T4 e triiodotironina - T3 em mulheres que apresentam hipotireoidismo com pouco mais de 50 anos de idade.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
 Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
 CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
 Endocrinologista – Medicina Interna                                                            
CRM 28930

COMO SABER MAIS:
1.O hipotireoidismo pode interferir na pressão arterial...

2.Qual é o tipo mais comum de hipotireoidismo...

3.Pode-se ter hipotireoidismo sub-clínico de Hashimoto... http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas:                                                                                                                Prof. Dr. João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangiere Caio, Endocrinologista, medicina interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo,Brasil. 2011, Saito et al.  Stella Stabouli; Sofia Papakatsika; Kotsis Vasilios                                                                                             Publish in: 2010/12/26; Cardiovasc Rev experts lá. 2010, 8 (11) :1559-1565. © 2010

Contato:
Fones: 55 (11) 5087-440 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj. 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com

sexta-feira, 9 de março de 2012

HIPOTIREOIDISMO SUB CLINICO DEVE SER DESCARTADO EM MULHERES GRÁVIDAS E SEUS FETOS, POIS PODE CAUSAR GRANDES ESTRAGOS PARA TODA A VIDA INCLUSIVE EM AMBOS.

Além de um aumento da frequência nos idosos, hipotireoidismo subclínico também foi relatado durante a gravidez e como uma moléstia muito comum. As consequências para o feto em relação a  adaptação fisiológica da função tireoidiana materna à gestação podem ser devastadores, como o desenvolvimento fetal, particularmente do cérebro depende da função da tiróide da mãe. Uma pequena, mas adequada avaliação da  reserva da tiróide  pode descompensar durante a gravidez em mulheres que se submeteram à retirada de tireóide anterior ou terapia com iodo radioativo, ou que tenham deficiência enzimática congênita, latente e / ou compensados inchaço, ou autoimune da tireóide. Hipotireoidismo materno deve, portanto, ser evitado. As mulheres com elevadas concentrações de TSH e T4 livre concentrações em valores baixa do normal, que não são adequadamente tratados com levotiroxina terá bebês com um quociente de inteligência reduzido ou outros problemas neuropsicológicos é caso de desenvolvimento comprometido, e quando estiver com medição da concentração de TSH alterados comprometendo os hormônios da tireoide  adequado no primeiro pré-natal ,  principalmente   para mulheres com alto risco de doença da tireóide. 
Os grupos de alto risco incluem mulheres com uma história pessoal ou familiar de doença da tireóide, tireoidite pós-parto, retirada de parte da tireoide, bócio tireoidiano aumentado, os anticorpos da tireóide alterados, os sintomas ou sinais clínicos sugestivos de disfunção da tireóide, diabetes tipo um, outras doenças autoimunes (onde formam anticorpos contra ela mesma), que são diversas doenças diferentes, mas com riscos assemelhados, em nossos organismos e ainda poderá apresentar por terapêutica de cabeça ou pescoço, quando necessário à utilização com substancias radioativa. Não podemos nos esquecer das mulheres inférteis, devem ser submetidos aos exames dos hormônios da tireóide e de TSH, como parte de sua possível infertilidade no seu pré-natal.

AUTORES PROSPECTIVOS


Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.o hipotireoidismo subclinico é uma doença muito mais comum do que pensamos...      
http://hipotireoidismosubclinico.blogspot.com


2. O hipotireoidismo relevante pode provocar  fadiga, sonolência, lentidão muscular, aumento do peso corporal, levando ao sobrepeso, obesidade, obesidade visceral, intra - abdominal diminuição da frequência cardíaca e mixedema ...  
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

3. A deficiência de iodo na dieta também pode causar hipotireoidismo relevante podendo levar ao coma...


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:PROF. DR. JOÃO SANTOS CAIO JR ET DRA HENRIQUETA V. CAIO, 25 JULHO 2011, São Paulo - Brasil, Demers LM and Spencer CA (2002) National Academy of Clinical Biochemistry laboratory medicine practice guidelines: laboratory support for the diagnosis and monitoring of thyroid disease. [Feldt-Rasmussen U et al. (1980) Long-term variability in serum thyroglobulin and thyroid related hormones in healthy subjects. Acta Endocrinol (Copenh) 95: 328–334 | Andersen S et al. (2002) Narrow individual variations in serum T4 and T3 in normal subjects: a clue to the understanding of subclinical thyroid disease. J Clin Endocrinol Metab 87: 1068–1072 | Karlin NJ et al. (2004) Current controversies in endocrinology: screening of asymptomatic elderly for subclinical hypothyroidism. J Am Med Dir Assoc 5: 333–336 | Wartofsky L and Dickey RA (2005) The evidence for a narrower thyrotropin reference range is compelling. J Clin Endocrinol Metab 90: 5483–5488 | Surks MI et al. (2004) Subclinical thyroid disease. Scientific review and guidelines for diagnosis and management. JAMA 291: 228–238 | Pop VJ et al. (1999) Low maternal free thyroxine concentrations during early pregnancy are associated with impaired psychomotor development in infancy. Clin Endocrinol (Oxf) 50: 149–155 | Abalovich M et al. (2007) Management of thyroid dysfunction during pregnancy and postpartum: an Endocrine Society Clinical Practice Guideline. J Clin Endocrinol Metab 92 (Suppl): S1–S47 | Singh S et al. (2008) Impact of subclinical thyroid disorders on coronary heart disease, cardiovascular and all-cause mortality: a meta-analysis. Int J Cardiol 125: 41–48 | |Ochs N et al. (2008) Meta-analysis: subclinical thyroid dysfunction and the risk for coronary heart disease and mortality. Ann Intern Med 148: 832–845


Contato:
Fones: 55(11) 50
87-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11 ) 7717-1257

ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br



HIPOTIREOIDISMO SUBCLINICO – VOCE TERÁ UM GRANDE BENEFICIO EM TRATAR DESTE TIPO DE DOENÇA AUTOIMUNE, DEVIDO AS ELEVADAS ALTERAÇÕES QUE O HIPOTIREOIDISMO SUBCLÍNICO PROMOVE EM SEU ORGANISMO.

POR ALTERAR OS HORMONIOS QUE EFETUAM A PRÉ ESTIMULAÇÃO PARA SUA FUNÇÃO DE FEEDBACK NEGATIVO NO ORGANISMO,COMO A ESTIMULAÇÃO DO TSH (HORMONIO TIREOESTIMULANTE).

O hipotireoidismo subclínico é definido como uma elevada concentração circulatório em nosso organismo, de TSH (hormônio tireoestimulante) na presença de concentrações circulatória  se considerarmos o hormônio da tireóide dentro dos valores corretos e previstos da base população normal que usamos como referência. È Uma moléstia autoimune, de origem genética, muito frequente, levando a diminuição da cognição, aumentando o IMC – índice de massa corporal e obesidade de forma progressiva. Os sintomas clínicos são geralmente muito vago ou mesmo ausente, e muitas vezes não são específicos para o hipotireoidismo e isto é muito importante porque não faremos um diagnostico correto se não efetuarmos um diagnostica com qualidade clinica e laboratorial. O diagnóstico é, portanto, totalmente dependente dos métodos de laboratório e no desempenho dos testes utilizados em laboratórios diferentes. TSH (hormônio tireoestimulante) é o parâmetro mais sensível com o qual as características desta doença é comuns e difíceis para disfunção tireoidiana em uma população saudável, devido à relação entre TSH e T4 livre: mesmo pequenas alterações no resultado da concentração de T4  ( Hormônio levotiroxina) em grandes alterações da concentração do TSH (hormônio que estimula a fabricação dos outros hormônios tireoidianos). Uma variação dentro da individualidade de cada um de nós, com  a concentração do soro dos hormônios da tiroide é muito menor do que a população em intervalos de referência. Como consequência, não é de surpreender que as condições associadas a um nível de T4 livre dentro da população, intervalam de referência, mas que são anormalmente baixos para esse indivíduo em particular, resulta em um aumento de forma a compensar aumentando a concentração do TSH.

                                                AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611


Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. Causas básicas de hipotireoidismo relevante primário são autoimunes, tireoidite silenciosa, pós-retirada da tireoide, bócio, doença não autoimune (por ex., Riedel), subaguda e sub-clínica...
http://drcaiojr.site.med.br 

2. A tireoidite autoimune linfocítica crônica (doença de Hashimoto) é a causa mais comum de disfunção da glândula tireoide...

 http://colesteroltriglicerides.blogspot.com/

3. A adequada reposição hormonal dos hormônios tireoidianos conseguiu reduzir a pressão arterial, evitando a causa secundária de hipertensão em pacientes com hipotireoidismo...
http://dracaio.site.med.br

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO 

DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Iqbal A, Figenschau Y, Jorde pressão arterial R. em relação ao soro TSH: o estudo Tromsø. J. Hum. Hypertens.20, 932-936 (2006); Saltiki K, Voidonikola P, K Stamatelopoulos et al. Associação de função da tireóide com a pressão arterial em indivíduos normotensos e hipertensos eutireóideo:. um estudo transversal Thyroid Res. 1 (1), 3 (2008); Kanbay M, Turgut F, Karakurt F et al. Relação entre hormônio da tireóide soro e variabilidade "nondipper" pressão circadiano sangue. Kidney Imprensa Sangue. Res. 30, 416-420 (2007); Liu D, Jiang F, Z Shan et al. Um estudo transversal da relação entre o nível de TSH e pressão arterial. J. Hum.Hypertens. 24 (2), 134-138 (2010); Dagre AG, Lekakis JP, Papaioannou TG et al. rigidez arterial é maior em indivíduos com hipotireoidismo. Int. J. Cardiol. 103, 1-6 (2005); Owen PJ, R Sabit, Lázaro JH. Doenças da tireóide e função vascular. Thyroid 17, 519-524 (2007); Nagasaki T, M Inaba, Kumeda Y et al. Aumento da velocidade da onda de pulso no hipotireoidismo subclínico.J. Clin. Endocrinol. Metab. 91, 154-158 (2006); Ichiki hormônios tireoidianos T. e aterosclerose. Vascul. Pharmacol. 52, 151-156 (2010); Vargas F, Moreno JM, Rodríguez Gómez-I et al. função vascular e renal em distúrbios da tireóide experimental.Eur. J. Endocrinol. 154, 197-212 (2006); Iglesias P, Díez JJ. Disfunção da tiroide e doença renal. Eur. J. Endocrinol. 160, 503-515 (2009); Panciera DL, Lefebvre HP. Efeito do hipotireoidismo experimental sobre a taxa de filtração glomerular ea concentração plasmática de creatinina em cães. J. Veterinário. Intern. Med. 23, 1045-1050 (2009).

Contato:
Fones:  55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel:   55(11) 7717-1257
 
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

WWW.crescimentoinfoco.com.br
WWW.tireoidismo.com.br
Google Maps:

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA TIREOIDE (HIPOTIREOIDISMO, HIPERTIREOIDISMO, TIREOIDITE DE HASHIMOTO, SINDROME DE GRAVES, HIPOTIREOIDISMO PRIMARIO, HIPOTIREOIDISMO SECUNDÁRIO).

NOVOS CONHECIMENTOS NOS MOSTRAM A IMPORTANCIA DO METABOLISMO DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS NO CONTROLE DOS LÍPIDES (COLESTEROL TOTAL, MAU-COLESTEROL, BOM-COLESTEROL, TRIGLICÉRIDES) NO ORGANISMO.

Os hormônios tireoidianos tem um importante papel na termogenese (produção de calor) e controle dos lipides (colesterol total, mau-colesterol, bom-colesterol, triglicerides) no organismo, aqui observamos a evidencia da triiodotironina (T3) no controle do metabolismo dos lipides através dos receptores dos hormônios tireoidianos, observados recentemente. (termogenese que significa queima de gordura, diminuição de obesidade). Achados recentes mostram que o metabolismo lipídico (gordura) é controlado por receptor de hormônio tireoidiano semelhantes, em um tecido de certa maneira independente, que foi recentemente descoberto em laboratório genes mutantes idênticos ao gene Thra (Thra1pv) ou ao gene Thrb (Thrbpv). A mutaçao no gene Thra diminuiu de forma dramática o volume do tecido adiposo e do fígado, no entanto a mutação do gene Thrb aumentou de forma significativa o volume de tecido adiposo no fígado, mas não aumentou de forma importante o tecido adiposo do subcutâneo. 
Foi mostrada que a ação do gene da enzima lipogênica (responsável pela formação de gordura) está dimunuida no tecido adiposo branco do gene Thra1pv, mas não no gene Thrbpv. Marcadamente o aumento da ação da enzima lipogênica e a diminuição da atividade da oxidação dos ácidos graxos contribui para a esteatose hepática (gordura no fígado) e acúmulo de lípides no fígado devido ao gene Thrbpv. Em contraste, a redução da ação de genes críticos para a lipogênese (formação de gordura) mediam a diminuição da quantidade de lípides no figado. Fica claro que, receptores de hormônios tireoidianos mediam diversos efeitos de alteração do metabolismo dos lípides. A tireoide é um dos hormonios mais significativos para a raça humana, pois é responsável pela distribuição correta harmônica e acelerada da maioria dos enzimas, hormônios, substancias bioquímicas, e esses fatores interferem na perda de peso por estar diretamente ligado aos metabolismos dos lípides. Ambos receptores semelhantes de hormônios tireoidianos contribuem para as alterações dos lípides no hipotireoidismo. Estas avaliações sugerem que os receptores de hormônios tireoidianos podem ser utilizados como terapêutica para anormalidades lipídicas.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. O hipertireoidismo é uma condição em que a glândula tireóide produz excesso de hormônio tireoidiano...
 
http://hipertireoidismo.blogspot.com/
 

2 . O hipertireoidismo ocorre quando a tireóide libera uma quantidade maior de seus hormônios durante um curto período de tempo (aguda) ou longa (crônica)...
 
http://hipertireoidismo.blogspot.com/

3. A tempestade da tireóide, também chamada de tireotoxicose , é um súbito agravamento dos sintomas de hipertireoidismo que podem ocorrer com infecção ou stress...
 
http://serobesonao.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
. 

Referências Bibliográficas: 
Dr. João Santos Caio Jr, Diretor Cientifico et Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Diretora Clinica - Van Der Häägen Brazil, São Paulo - Brasil, Nordyke RA, Gilbert FI Jr, Harada AS. Graves' disease. Influence of age on clinical findings. Arch Intern Med 1988; 148:626.Trzepacz PT, Klein I, Roberts M, et al. Graves' disease: an analysis of thyroid hormone levels and hyperthyroid signs and symptoms. Am J Med 1989; 87:558.Krassas GE, Pontikides N, Kaltsas T, et al. Menstrual disturbances in thyrotoxicosis. Clin Endocrinol (Oxf) 1994; 40:641.Kidd GS, Glass AR, Vigersky RA. The hypothalamic-pituitary-testicular axis in thyrotoxicosis. J Clin Endocrinol Metab 1979; 48:798.Trivalle C, Doucet J, Chassagne P, et al. Differences in the signs and symptoms of hyperthyroidism in older and younger patients. J Am Geriatr Soc 1996; 44:50.Woeber KA. Thyrotoxicosis and the heart. N Engl J Med 1992; 327:94.Ayres J, Rees J, Clark TJ, Maisey MN. Thyrotoxicosis and dyspnoea. Clin Endocrinol (Oxf) 1982; 16:65. 

Contatos:
Fones:55 (11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel:
  55 (11) 7717-1257    
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com
 


Site Clínicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

WWW.crescimentoinfoco.com.br
WWW.tireoidismo.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17